REATOR DE GARRAFA – UMA EXPERIÊNCIA BRASILEIRA

REATOR DE GARRAFA – UMA EXPERIÊNCIA BRASILEIRA

.

.

PODE NÃO TER DADO TÃO CERTO, MAS EXPERIMENTAMOS, E APRENDEMOS…

.

BRUNO ACHOU QUE ESTAVA FAZENDO A EXPERIÊNCIA DA GARRAFA, MAS, USANDO SODA CÁUSTICA, ESTAVA PRODUZINDO APENAS UMA REAÇÃO QUÍMICA…

Olá amigos do Brasil, estou postando a foto do meu mini reator de garrafa PET.

Vamos por partes: A mistura de refrigerante com koh2 não vingou. Vamos agora para a famosa soda cáustica (Não recomendado!)…

Espumou bem depois… A reação tem coloração amarela e esquentou muito o liquido ficou mais grosso e muito quente acho que coloquei mais soda do que liquido agora está com coloração alaranjada e foi depois que eu introduzi a colher para misturar bem a mistura.

Agora está muito quente e alaranjado escuro e já está gerando 0.07 volts e com polarização perfeita entre negativo e positivo e estou com a garrafa lacrada com tampa fechada e aguardando 1530 minutos (25,5 horas) e está só subindo a voltagem.

Manterei vocês atualizados com as fotos e com o multímetro ligado.

 

.

.

Aconteceu que descobri um belo dum vazamento na garrafa e eu acho que também vacilei na hora de misturar a soda…

eu não deveria ter misturado… deu uma reação acelerada que era para ter acontecido só dentro do reator (?)

mas, mesmo assim, estou aprendendo do jeito mais tenso. Mas está dando tudo certo. Amanhã vou fazer novas bobinas e reparei que, quanto mais perto as bobinas uma da outra, mais voltagem se tem.

Montei as 4 bobinas, fechando o circuito.

Estas bobinas que estão mais perto uma da outra encontram-se gerando mais voltagem que as que estão mais longe uma da outra, como vocês podem ver a voltagem marcada.

As bobinas que estão mais fechadas (mais próximas) deixo aguardando, como pedido, no mínimo 150 minutos com o fluido dentro.

E vamos em frente !!!!!!

Bruno Cristiano

=======================================================

NOTA DA FUNDAÇÃO KESHE INFORMAÇÕES EM PORTUGUÊS:

Esta experiência feita pelo Bruno consiste mais numa reação química do que propriamente no reator de garrafa de Keshe, pois a experiência real não deve nunca usar soda cáustica, deve retornar energia elétrica e acumulação de carbono, de duas maneiras distintas e viáveis:

1. a partir da garrafa bem fechada, (ou aberta) com as substâncias líquidas misturadas embaixo (há uma lista delas circulando pela internet), e com as bobinas em cima, onde a subida do gás hidrogênio a partir da substância líquida reage com o cobre, produzindo energia e acumulando carbono nas bobinas. Esta acumulação de carbono é essencial para se entender as teorias de Keshe e também essencial para a próxima fase;

2. a partir da garrafa em que antes passou pela reação do item 1 desta vez estando “totalmente esvaziada e aberta”, sem mais nenhuma substância líquida ao fundo, (cuidar para não cair o carbono ao esvaziá-la) porém com as bobinas repletas do carbono acumulado pelo final da experiência do item 1, e mesmo assim energia elétrica continua sendo captada pelas bobinas, e cada vez mais, pois, neste caso, é o carbono especial em estado Nano, e a deposição naturalmente ocorrida dele sobre o cobre que estará a produzir a energia, neste caso.

Isto condiz com as afirmações das mensagens de Keshe no Fórum em outubro e novembro de 2009, no tópico intitulado “Open circuit with magnetic field possible?”.

Incitamos, a quem quiser fazer a experiência completa, que busque os melhores materiais listados pela rede, não use jamais a soda cáustica, e que atente para as recomendações acima, buscando compreensão do processo e do por que da geração de energia a cada etapa.

Parabéns ao Bruno Cristiano, pela iniciativa e pela ousadia de ter experimentado e ter compartilhado com os colegas do grupo Keshe Brasil do Facebook, e esperamos que faça melhor e mais eficiente na próxima vez.

Experiências como esta, assim descritivas e com fotos, mas dentro dos parâmetros corretos, terão sempre espaço neste site para sua divulgação. Para isto, entrem em contato pela Fan Page do Facebook, informando os detalhes. .

 

.

4 comentários sobre “REATOR DE GARRAFA – UMA EXPERIÊNCIA BRASILEIRA

  1. Então na verdade o KOH “Hidróxido de Potássio” e só para produzir o hidrogênio? E se eu produzir o hidrogênio e coloca-lo dentro da garrafa terei o mesmo resultado?

    • Bem, não é bem assim. Fizemos apenas um comentário no final do artigo porque estava sendo usado a soda cáustica, e não a comum. Não nos estendemos na explicação, que segue: KOH é um tipo de hidrogênio cristalizado com potássio (é um tipo de GaNs) e precisa ser misturado à soda ou bebidas com gás (chamadas carbonatadas). Na verdade não há “produção de hidrogênio” na garrafa, mas uma reação plasmática que libera o hidrogênio do potássio e o liga aos outros elementos da bebida ou o transforma de novo em gás. Isso força o carbono da bebida a subir e se fixar muito lentamente nos arames ou fios de cobre. Quem provoca esta reação é as poucas partículas radioativas que o potássio traz consigo na combinação KOH. Mas esta é reação de ativação plasmática, e não uma reação química. O carbono que antes era gasoso se transforma em partícula preta depositada nos fios. Esperamos ter ajudado você a compreender melhor a dinâmica envolvida.

      • Na verdade cheguei a essa conclusão porque eu fiz uma célula de combustível e um tempo depois eu a desliguei porque pretendia colocar um gerador para produzir mais energia, e por segurança passei meu multímetro, e estava dando na escala de 20V DC 0.20mV. O interessante e que esta desligada a mais de dois meses e sem eletrólito nem um dentro, inclusive eu havia lavado todas as partes. As placas da minha célula captam energia não sei da onde pois não esta ligada em nada, mas como na garrafa pet elas estão dentro de um cilindro. A diferença e que o meu cilindro e de inox.

Deixe um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.